WILD IS THE WIND | Outfit


"Of the millions of things you do not understand,
may today be the day you embrace the unplanned.
Find in new moments, not only new things,
but space to slow down and room to breathe."
- Morgan Haper Nichols
Macacão: Stradivarius | Colar: Stradivarius | Anéis: H&M | Sandálias: ASOS


As saudades que já tinha de passear e tirar fotografias. Aproveitei o Domingo passado para isso mesmo e como tal, utilizei uma das peças mais confortáveis que tenho de momento, que é este macacão da Stradivarius, que apesar de simples e muito prático, é ao mesmo tempo classy e elegante.

Estas fotografias foram tiradas pela minha irmã Diana, que também tem um blog, que poderás visitar aqui.

Espero que tenham gostado!





Favoritos de Junho/Julho




ROUPA & CALÇADO
1. Vestido de gala, TFNC
No início de Julho tive a gala de finalistas da minha faculdade e como tal, começou a busca de vestidos. Apesar de o site que mais visitei, nesta procura, ter sido a ASOS, pois costumo adorar os vestidos de lá, foi na TFNC que encontrei este vestido vermelho. É simples e sem brilhos ou extravagâncias, mas gostei bastante da sua cor forte e do modo como me assentava.


2. Saia, Bershka
Nunca utilizei muitas peças deste estilo, até porque como sou pequena, acho que saias midi não me favorecem, mas esta chamou-me a atenção pelo corte e padrão. Para minha surpresa, quando a experimentei, gostei muito de me ver e, ultimamente, tem sido das saias que mais tenho utilizado.

3. Sapatilhas, New Look
Descobri a New Look há alguns meses e finalmente decidi encomendar algumas peças de lá. Gostei especialmente destas sapatilhas, que por serem completamente brancas e muito simples, ficam bem com tudo, especialmente com vestidos, saias ou macacões.


SKINCARE
1. Rituals - The Ritual of Dao (Organic White Lotus & Yi Yi Ren)
Esta gama, constituída por 4 produtos, foi-me dada pelas minhas amigas no meu aniversário e acertaram em cheio! O cheiro destes cremes é totalmente a minha cara e tenho usado non-stop. Aconselho vivamente!


SÉRIES
1. Stranger Things
Eu já era uma grande fã desta série quando saiu a primeira temporada. É do género que nos prende até ao último episódio, pela história, pela vibe dos 80s, pela relação de amizade entre os miúdos e pelas interpretações fantásticas quer da Winona Ryder e do David Harbour, quer dos miúdos. Depois da desilusão que foi, na minha opinião, a segunda temporada, a terceira veio para se redimir. Desde os aspetos estéticos, à excelente performance de Dacre Montegomery, ao enredo, à emoção que senti com aquele final... Que venha a quarta!

2. Chernobyl
Tal como a maioria das pessoas, não pude deixar de ver esta minissérie e de saber um pouco mais acerca da história por de trás da famosa explosão que seu deu na Usina Nuclear de Chernobyl, em 1986. O modo como a história é retratada e as interpretações magníficas dos atores são o que nos prende. Sou o tipo de pessoa que adora este tipo de séries, pois acho que são uma maneira excelente de aprender sobre estes factos históricos e de ganharmos um bocadinho mais de noção de que há muito mais do que aquilo que está diante dos nossos olhos. Das melhores séries que vi nos últimos tempos.

LIVROS
1. O Retrato de Dorian Gray, Oscar Wilde
Há já bastante tempo que este livro constava na minha must-read list e finalmente peguei nele. Começo por dizer que um dos aspetos que mais gostei nesta obra, foi sem dúvida o prefácio que tem um texto muito bonito acerca do propósito da arte e, que aconselho a que leiam, mesmo que não queiram ler o resto.
Não posso dizer que tenha sido o livro da minha vida. Contudo, gostei bastante da escrita de Oscar Wilde e achei muito interessante o modo como retratou vários temas como a dualidade entre o bom e o mau, o bonito e o feio e o ser correto ou viver em busca do prazer. 
Esta história tem início com a pintura do retrato de Dorian Gray que é uma homem jovem e belo, pelo pintor Basil Hallward, que tem uma admiração muito grande pelo jovem e, ao longo do tempo, Dorian apercebe-se de que o seu retrato envelhece, enquanto este se mantém sempre jovem. Apercebe-se ainda que o envelhecer do quadro representa a sua alma e como o facto de viver em busca do seu próprio prazer, descurando dos que o rodeiam, torna o seu retrato mais feio e asqueroso.
O livro retrata ainda a natureza superficial da sociedade e as consequências da influência, representadas pelo personagem Henry Wotton, homem muito admirado por Dorian Gray, pelas suas opiniões e estilo de vida. É de fácil leitura e leva-nos a refletir acerca das várias temáticas abordadas.


Espero muito que tenham gostado e se quiserem, partilhem as vossas opiniões nos comentários.



Be cool, Honey Bunny | Outfit

T-shirt Pulp Fiction: Bershka | Saia: Zara


"That's when you know you've found someone really special. When you can just
shut the fuck up for a minute and confortably share silence".


Na publicação de hoje trago-vos um outfit que acho ideal para a meia estação. A t-shirt foi-me dada pela minha irmã no Natal e sendo uma grande fã do Pulp Fiction e de todos os filme do Tarantino, claro que adorei e, decidi conjugá-la com uma parte debaixo menos casual. Adoro este tom camel e ultimamente saias é das peças que mais compro, ainda que o bom tempo para as usar só tenha chegado mais recentemente. 
Este outfit é super simples mas excelente para o dia-a-dia e para usar em dias mais quentes, por isso espero que gostem.



Tallin, Estónia | 14-10-2018

Como disse na publicação anterior, parti de Tallin para ir a Helsínquia, mas voltei para Tallin no mesmo dia, pois foi em Tallin que passámos a noite e no dia seguinte, aproveitámos para passear pela cidade. Confesso que fiquei muito surpreendida com a cidade, por ter uma vibe muito cozy e medieval. Acho que, dos países bálticos, foi o que mais gostei de visitar.

Dos primeiros lugares que visitámos, destacaram-se dois miradouros espectaculares, que nos permitem ter uma vista lindíssima Tallin. O primeiro fica perto da Casa do Governo, no alto de uma colina, na parte mais alta da cidade e permite-nos ter uma vista sobre a parte mais antiga da cidade e o segundo (Kohtu) permite-nos ver a parte mais nova da cidade. Existe ainda um outro no alto da Dome Church que deve ter uma vista ainda mais espetacular mas não tivemos oportunidade de ir a esse, pois para além de termos pouco tempo para ver tudo, esse era o único que se pagava.
No que diz respeito a museus, visitámos o da fotografia, que ficou um bocadinho aquém e o Health Care Museaum, que confesso que adorei, visto que também estou a tirar um curso na área da saúde, é algo que me interessa e achei este museu super completo e interessante.
Passámos também pela Catedral Ortodoxa Alexander Nevsky, de estilo neobizantino, e que esteve quase para ser destruída por representar um marco da ocupação soviética no país. Passámos ainda pela Town Hall Square, que é a principal praça da cidade.
Por fim, visitámos Telliskivi Creative City localizada num antigo complexo industrial, onde se podem ver várias paredes cheias de graffitis, estabelecimentos em formatos muito criativos, como por exemplo em café dentro de um comboio e diversas formas de arte.

Espero muito que tenham gostado desta publicação e que me continuem a acompanhar nesta aventura. A próxima publicação será a última desta série e será sobre a minha viagem a Varsóvia. Comentem aquilo que acharam mais interessante e se tiverem alguma sugestão ou pergunta, deixem também nos comentários.


Helsínquia & Suomenlinna, Finlândia | 13-10-2018

Hoje venho falar-vos da minha viagem à Finlândia, quando estive de Erasmus. Tenho imensa pena de só ter podido lá estar um dia, visto que foi dos países que mais gostei de visitar e, sem dúvida que um dia gostava de voltar e explorar muito mais aquilo que o país tem para oferecer. Ainda assim, consegui ver um pouco de Helsínquia e visitar também a ilha de Suomenlinna e partilho convosco as fotos que tirei nesse dia.
Eu e a minha colega partimos de Siauliai para Tallin, na Estónia, pois foi a partir daí que conseguimos apanhar o barco que vai para Helsínquia. A nossa primeira paragem foi pelo mercado mais famoso da cidade "Market Square", onde se vendem os mais diversos produtos e comidas tradicionais finlandesas. Tomámos por lá o nosso pequeno-almoço e seguimos viagem em direção ao Monumento A Sibellius, localizado no parque com o mesmo nome. Este teria sido construído em homenagem ao compositor finlandês Jean Sibellius e é por essa razão que se assemelha aos tubos de um órgão. 
Não quisemos deixar de visitar a Praça do Senado e a Catedral de Helsínquia, que são os principais pontos turísticos da cidade e estão cercadas por vários edifícios imponentes, como o edifício central da Universidade de Helsínquia ou o Palácio do Concelho de Estado. 
Um dos museus mais conhecidos da Fnlândia é o HAM (Helsinki Art Museaum) e tentámos lá entrar, mas as exposições eram um bocado caras e portanto aproveitámos apenas a parte do cinema que tinha figuras de alguns dos meus personagens cinematográficos preferidos e vimos ainda uma exposição de fotografia que era grátis.
Passámos ainda pelo Temppeliaukio Kirkko, que é uma igreja que foi construída a partir de uma grande rocha de granito que se encontrava no local. Infelizmente, não conseguimos entrar, mas deu para ver que era um edifício bastante fora do normal. Além deste, passámos também pela Uspenski Cathedral, também conhecida pela "red church", que se destaca bastante na paisagem.

Na parte da tarde, decidimos visitar a ilha de Suomenlinna, conhecida pela sua fortaleza. Para isso apanhámos um ferry, a partir da zona do Market Square. A fortaleza de Suomenlinna foi considerada Património Mundial da Humanidade pela UNESCO, daí a nossa curiosidade em visitá-la, além do facto de a ilha ser muito bonita, ter paisagens fantásticas e transmitir muita tranquilidade. Pudemos ainda ver um submarino, pelo meio. Sem dúvida, vale a pena visitar. 

De um modo geral, gostei imenso da viagem, o outono é lindo na Finlândia! Mas como já referi, senti que foi muito pouco tempo, nem sequer conseguimos entrar em museus ou experimentar as famosas saunas finlandesas. Quem sabe um dia, lá voltarei.
Brevemente, irei partilhar convosco as restantes viagens que fiz em Erasmus, nomeadamente a Tallin na Estónia e a Varsóvia na Polónia. Espero que estejam a gostar desta minha série de viagens e se tiverem alguma pergunta ou sugestão, podem deixar nos comentários.