Filmes | BOHEMIAN RHAPSODY

As críticas feitas a este filme já são bastantes e muito divergentes entre si e, como tal, quis tirar as minhas próprias conclusões. Já há imenso tempo que tinha visto o trailer de Bohemian Rhapsody e andava mortinha por ver o filme. Para já sou uma enorme fã do Rami Malek e estava com as expectativas em alta, pela performance dele enquanto Freddie Mercury (quem já viu Mr. Robot sabe do que falo). Além disso, adoro filmes biográficos de bandas de rock e portanto não ia de todo perder este.

Este filme centra-se essencialmente na vida e carreira dos Queen, mas em especial do seu vocalista,  Freddie Mercury, e da sua ascensão à fama e sucesso. Centra-se muito na sua vida pessoal, relação com os colegas da banda e no seu processo musical. Mostra como foram criados alguns dos maiores hits da banda, as origens de Freddie, e também nos mostra a sua vida amorosa, nomeadamente com Mary, para quem escreveu Love Of My Life e como continuaram a amar-se, mesmo depois de Freddie ter admitido ser homossexual. Uma das cenas mais emblemáticas do filme, na minha opinião, é sem dúvida o Live Aid, que aconteceu anos depois dos Queen se terem separado e depois de Freddie descobrir que tinha SIDA.


Achei o filme super comovente, por vezes cómico e ainda estou sem palavras para a performance magnífica do Rami Malek. É sem dúvida notório que não foram apenas a dentadura e as roupas extravagantes que o fizeram de Freddie, como já muita gente disse, mas sim a sua interpretação, os gestos, a sua presença e os pormenores mais insignificantes que fazem toda a diferença. 
Sem querer dar mais spoilers, acho que é um filme que vale totalmente a pena ver, especialmente para os fãs de Queen e para quem, tal como eu, não pode perder um bom filme, com excelentes interpretações e uma história de vida tão inspiradora como é a de Freddie Mercury.



Kaunas & Trakai | 29/30-09-2018


Neste momento, já estou em Portugal, mas vou continuar a partilhar convosco algumas das viagens que fiz em Erasmus e nesta publicação vamo-nos ficar pela Lituânia e vou mostrar-vos um bocadinho duas das cidades que mais gostei de visitar neste país. 

Começando por falar de Kaunas, que é a segunda maior cidade da Lituânia, esta destacou-se pelo seu castelo e pela St. Michael the Archangel Church. Neste dia, passeámos um pouco pelo centro da cidade, que tal como toda a Lituânia é notória pelas suas igrejas. Tivemos sorte por apanhar um dia cheio de sol, apesar do frio, o que nos permitiu tirar fotografias muito bonitas perto do castelo de Kaunas, com a vista do rio.


Trakai é, na minha opinião, o local da Lituânia que visitei, com as paisagens naturais mais bonitas, tal como podem ver pelas fotografias. É excelente para passear e fotografar e ainda podemos visitar a sua maior atração turística: o castelo da ilha de Trakai, que foi considerado um dos maiores centros do Grande Duque da Lituânia e de grande importância estratégica.
Para lá chegarmos, basta atravessar uma ponte e lá dentro tivemos de subir várias escadas de modo a poder entrar em cada uma das divisões permitidas no castelo. É sem dúvida um dos sítios que mais aconselho a visitar na Lituânia.

Tendo em conta que estive apenas um dia em cada uma destas cidades, tenho pena de não conseguir dar-vos mais informações acerca das mesmas, porque obviamente não consegui ver tudo o que gostaria, mas do que pude ver, gostei imenso e acho que são duas cidades que vale a pena visitar.



Riga, Letónia | 08-09-2018

A primeira viagem que fiz a outro país desde que estou na Lituânia foi a Letónia. A verdade é que Riga é ainda mais perto de Siauliai do que Vilnius, pelo que conseguimos ir e voltar no mesmo dia. Achei Riga uma cidade muito bonita, com um aspeto muito cozy e colorido, sendo que a arquitetura se destacou bastante para mim, pelo seu estilo de Art Nouveau.

Ao chegar, a primeira coisa que vimos foi o edifício da Academia de Ciências da Letónia, que marca a ocupação soviética, visto que este é considerado o "little brother" de uma universidade de Moscovo. Passámos também pela House of Blackheads e pela St. Peter's Church, que são dos edifícios que mais se destacam em Riga, especialmente porque os países bálticos estão repletos de igrejas, maioritariamente ortodoxas, com arquitetura muito semelhante.

Para almoçar decidimo-nos por um restaurante chamado Lido Alus Seta, que é um buffet e apesar de estar completamente cheio e de termos tido algum tempo de espera, tinha uma decoração bastante gira e a comida estava muito boa.

Como só íamos estar lá por um dia achámos que seria uma boa ideia fazer uma viagem naqueles autocarros turísticos, para numa hora podermos ver logo grande parte da cidade. Vimos vários pontos importantes como o Monumento da Liberdade ou a Biblioteca Nacional da Letónia. Além disto, visitámos ainda o mercado, a famosa Cathouse e os ainda mais famosos Three Brothers, que consistem na casa nº 17 que é o edifício mais antigo de Riga e dois edifícios adjacentes.


Espero que tenham gostado e que me continuem a acompanhar nesta minha saga de viagens. A próxima publicação será sobre duas das cidades que mais gostei de visitar na Lituânia: Kaunas e Trakai.

Se tiverem alguma questão ou sugestão, podem deixar nos comentários.




Erasmus - Siauliai, Lituânia

Hoje venho falar-vos da cidade onde tenho estado a viver desde o final de Agosto e que irei deixar dentro de pouco tempo.

Como disse na publicação anterior, estou a estagiar num jardim de infância, onde eu e a minha colega damos "aulas" a crianças entre os 2 e os 6 anos com temas como a prevenção do pé plano, desenvolvimento da coordenação, entre outros. Este é um desafio para mim pois para além de nunca ter trabalhado com crianças antes, nenhuma delas fala a mesma língua do que eu, pelo que tive de arranjar outras formas de comunicar com elas. Nomeadamente, tento exemplificar os exercícios ou falar por gestos e também já aprendi algumas palavras básicas em lituano. Estou a gostar imenso de trabalhar com crianças e de aprender coisas novas num local de estágio completamente diferente daquilo a que estou habituada. Penso que este é um dos pontos mais positivos desta minha viagem.

Siauliai é uma cidade pequena, onde não se vê muita gente na rua e os que se vêem são maioritariamente idosos ou famílias com crianças pequenas. Por vezes, gosto de aproveitar as tardes livres que tenho e vou passear ao centro da cidade, onde se encontram alguns cafés, bares e lojas. Para sair à noite, vamos a uma discoteca ou a um pub de rock n' roll, do qual gosto muito para podermos simplesmente conversar, ouvir boa música e beber uma cerveja.

Siauliai também tem alguns marcos mais turísticos como as igrejas, jardins, um lago que é muito bonito para ir passear e ainda o mais conhecido de todos: o Hill of Crosses, que é basicamente um centro de peregrinação católica onde se encontram várias cruzes de tamanhos e feitios diferentes. Além disto, também é possível visitar alguns museus nesta cidade como o museu da fotografia, do chocolate, entre outros.

Como já referi anteriormente, estou a viver na residência de estudantes da universidade, que devo confessar que é um dos pontos mais negativos do meu Erasmus. Apesar de ser a opção mais barata, sem dúvida alguma, e de ser a melhor opção para poder conviver com outros colegas de Erasmus, visto que nem sequer frequento a escola, os quartos são todos partilhados e super pequenos, não têm muita arrumação e a residência nem sequer tem forno ou congelador. Mas como são só 2 meses, achei que compensava.

De uma forma geral, acho que tem sido uma experiência muito positiva e enriquecedora e criei aqui memórias que irei para sempre guardar com muito carinho.

Espero que tenham gostado e se tiverem alguma pergunta ou sugestão, podem deixar nos comentários.